< Voltar à atuação

01 de maio de 2022

UCB lança projeto Vias Seguras

 

UCB lança projeto Vias Seguras para promover redução de velocidades no trânsito*

 

Iniciativa acontece no dia 4 de maio, em Brasília. Evento incluí apresentação de pesquisa e parecer jurídico, para embasar projeto de lei e campanha de comunicação sobre o tema.

 

No dia 4 de maio, mês da Segurança Viária, a *União de Ciclistas do Brasil-UCB*, em parceria com entidades ligadas ao tema, promoverão em Brasília dois eventos para lançar o projeto *Vias Seguras*. A iniciativa busca desmistificar a redução das velocidades dos automóveis nas vias brasileiras e, com base em estudos técnicos, propor alteração da legislação brasileira e campanha de comunicação sobre o assunto.

De acordo com dados da OMS – Organização Mundial da Saúde de 2018, ferimentos associados ao trânsito representam a oitava causa de morte no mundo e a primeira entre crianças e jovens de 5 a 29 anos. Só no Brasil são mais de 30 mil mortos todos os anos. A velocidade dos veículos nas vias está diretamente relacionada à probabilidade de ocorrência de sinistros . Além disso, quanto maior a velocidade, maior é a gravidade das lesões. 

Ana Luiza Carboni, coordenadora do projeto Vias Seguras e Diretora Financeira da UCB, explica que se o atropelamento acontece a 30 km/h, há 10% de chance do pedestre morrer. Se acontece a 50 km/h, há mais de 80% de chance de morte. “Pedestres e ciclistas são as principais vítimas dessa realidade. É urgente que o poder público tome iniciativas para proteger essas vidas. Trata-se de uma pauta de saúde pública”, afirma.

Para promover mudanças nesse cenário, a UCB contratou uma pesquisa, realizada pelo Instituto Multiplicidade Mobilidade Urbana, com o objetivo de 1) mensurar o impacto de boas práticas de redução de velocidade no número de mortos e feridos em São Paulo, Fortaleza e Curitiba, no Brasil, e de Bogotá, na Colômbia, e Santiago, no Chile; 2) levantar a opinião de motoristas em cidades brasileiras sobre velocidade e mortes no trânsito. “Também produzimos um parecer jurídico que tem o intuito de mobilizar atores-chave para a alteração da legislação atual sobre o tema”, explica Carboni.

Entre os resultados da pesquisa estão que 82% dos entrevistados conhecem alguém que morreu no trânsito e um quinto já perdeu familiares nesse contexto. Nove, em cada 10, entendem que o nível de mortes no trânsito é alto e que é uma questão urgente. Porém, oito em 10 não citam a redução de velocidades entre os fatores mais importantes para reduzir mortes, apesar de metade concordar que menores velocidades evitam óbitos. “Essa contradição mostra que temos um trabalho importante de comunicação e educação a ser feito para desmistificar a redução das velocidades como sendo algo inútil ou negativo”, conclui Carboni.

Já o parecer jurídico tem como foco a contradição existente entre o Código de Trânsito Brasileiro (CTB) e a Política Nacional de Mobilidade Urbana (PNMU). Estas leis divergem entre si, já que o CTB aponta proteção aos vulneráveis, assim como na PNMU, porém regulamenta velocidades altas que ocasionam sinistros de trânsito fatais ou que deixam milhares de pessoas sequeladas, estabelecendo pontos de inconsistência jurídica. “A alteração na lei que pretendemos visa justamente preencher essa lacuna, deixando expresso na legislação federal velocidades máximas mais baixas nas vias urbanas”, aponta a coordenadora do projeto Vias Seguras.

Lançamento do projeto Vias Seguras 

  • *4 de maio (quarta-feira)* – 14h30 às 16h30 – OPAS Brasil – Sala Isabel dos Santos – Lote 19 – Avenida das Nações, SEN – Asa Norte – Brasília/DF. Tema: “Vias Seguras – Desmistificando a redução das velocidades, evidenciando sua importância para salvar vidas”. 

Participantes: Victor Pavarino (OPAS Brasil), Ruth Costa e Ana Luiza Carboni (UCB), Glaucia Pereira (Multiplicidade e Mobilidade), Luise Reis (OAB-BA e UCB), Dante Rosado (Vital Strategies), Kelly Fernandes (GIZ), Promotor Dênio Augusto (MP-DFT), Maria Claudia Kohler e Paulo Harkot (pais da cicloativista Marina Harkot assassinada por um motorista); e Marta Obelheiro, da Ciclocidade.

Em decorrência do Maio Amarelo, mês da segurança viária, também será lançada a nova edição da campanha *Ruas Vivas 2022*, promovida pela UCB. Neste ano o tema será “Trânsito seguro para quem?” e buscará sensibilizar para a segurança viária com foco na mobilidade ativa. 

Para acompanhar a transmissão do evento, clique no link e assista: https://bit.ly/viasseguras

Confira o projeto: https://uniaodeciclistas.org.br/projeto-vias-seguras/